Tag-Archivo para » projetos de casas «

segunda-feira, julho 22nd, 2013 | Author:

Casa de tijolinho

TOM IRREVERENTE INOVA O USO DO TIJOLINHO À VISTA.

Reunir concepções distintas trata-se de casa de arquitetos, numa proposta que sintetizasse toda reflexão sobre arquitetura. A partir dessas premissas, o projeto de 320 m2, urbano, consegue fugir à regra da máxima ‘ ’em casa de ferreiro. Aqui, o lote de pequeno aclive e com 456 m2 foi usado com critério, abrigando três pavimentes. A idéia dos proprietários era a de uma arquitetura contemporânea, mais próxima do pós-moderno. Deveria transmitir aconchego e, ao mesmo tempo, lembrar o aspecto artesanal das olarias. Por isso, a fachada feita com tijolo à vista reforça o permanente fazer. Mosaicos delimitam os pavimentes e emolduram as aberturas. Metal e madeira se alternam nas esquadrias e guarda-corpos, muitos com desenho do autor. O resultado é uma visão eclética e bem-humorada da arquitetura urbana.

Formas lúdicas a torre lembra a cabeça de uma carranca e o uso bem-humorado do tijolo à vista valorizam a fachada da casa urbana.

Compartilhe no:
  • Orkut
terça-feira, maio 08th, 2012 | Author:

Ritos para despertar nas manhãs de sábado e domingo: acordar devagarinho com a luz que entra suave – filtrada pela persiana de palhinha -por todos os lados do quarto, ouvindo o som do riacho que corre lá fora. Para começar bem o dia, massagear o corpo com a ducha gelada da cascata. Depois da hidromassagem, dar um mergulho na piscina, que, na verdade, é o riacho desviado do seu leito e represado num tanque de pedras. Após o banho, tomar o café da manhã com frutas colhidas ao redor da casa… Mundo da fantasia? Não. Esse idílio chama-se Quinta do Caracol, construído pacientemente ao longo de dez anos pelo designer Tuca Monteiro e sua mulher, Lígia. Pena que, por enquanto, eles só desfrutem desse saudável ritual nos fins de semana o casal planeja, em breve, mudar-se de vez para o refúgio.
Os 12 km que vão de Bananal à Quinta do Caracol cruzam riachos e são cercados pelas cachoeiras da serra da Bocaina. Lá embaixo, fica a baía de Angra dos Reis.
Um pequeno canal de pedras desvia o leito do riacho, que deságua por uma cascata de 4 m de altura para encher a piscina. Todas as pedras usadas na obra estavam no próprio terreno.

Compartilhe no:
  • Orkut